Pesquisar
Close this search box.

7 motivos para visitar o Japão pelos olhos de brasileiros que estiveram por lá

Viajantes brasileiros planejaram roteiros com assistência gratuita do governo japonês; veja a experiência

Observando um aumento expressivo na busca de informações turísticas sobre o Japão, a JNTO – Organização Nacional de Turismo Japonês decidiu entrevistar viajantes brasileiros para saber como foram suas experiências no país. Os relatos confirmam pesquisas anteriores que colocam o Japão no topo do ranking de destinos mais desejados do planeta. Mas afinal, o que este país asiático tem de tão especial que encanta os turistas e atrai cada vez mais visitantes?

Os depoimentos listam as principais razões a seguir (em ordem aleatória) que levaram os viajantes entrevistados a amar o Japão e a querer visitá-lo novamente:

1 – Imigração sem perrengues

A primeira impressão é a que fica. O provérbio popular se mostrou verdadeiro quando os entrevistados passaram pelos trâmites de imigração japonesa, sendo tratados com respeito, cortesia e profissionalismo. A isenção do visto para brasileiros (*) certamente encurtou essa etapa da viagem, que, com a atuação cordial dos agentes de fiscalização, se torna uma experiência tranquila e ágil de boas-vindas.

2 – Transporte eficiente

A malha ferroviária do Japão é das maiores do mundo e possibilita que se conheça o país de modo prático e confortável. Mas para utilizar o sistema é necessário estudá-lo antes e planejar bem. Para isso, os entrevistados consultaram o Desk de Informações Turísticas da JNTO e receberam orientações certeiras.

“Utilizamos o Japan Rail (JR) Pass de 21 dias e ganhamos facilidade e economia no deslocamento entre as cidades, com reserva de assento”, conta Lucilene Kimura, médica que viajou com o marido, Júlio Fujita, dentista aposentado, entre outubro e novembro de 2023. “As estações de trem são bem sinalizadas e havia pessoas gentis para nos orientar.”

O casal esteve no Desk da JNTO, localizado na Japan House São Paulo e deixou sua avaliação: “A equipe oferece conhecimento profundo sobre o Japão. Fomos várias vezes pedir orientações. Nos ajudaram no planejamento do roteiro com dicas das cidades, transporte, esclareceram nossas dúvidas e, assim, nos sentimos seguros para viajar sozinhos com um bom planejamento.”

3 – Passeios com segurança

Dânae Dal Bianco com o marido e as duas filhas no Templo Todaiji, em Nara. – Foto: Dânae Dal Bianco

Umas das necessidades básicas do ser humano, sentir-se seguro é ainda mais importante quando se está fora de casa. Felizmente, o Japão é um dos países que mais oferece esse tipo de bem-estar aos visitantes. Segundo o Índice Global de Paz de 2023, do Institute for Economics and Peace, ocupa o 9 o lugar entre 163 países listados.

Para Lucilene, um dos pontos altos da viagem foi caminhar nas ruas com segurança. A médica descreve uma caminhada à beira do rio Sumida, em Tóquio, à noite: “Sensação de paz, liberdade, segurança. Contato com o rio Sumida dentro de uma super metrópole foi emocionante”.

4 – Experiências surpreendentes

Tatiana e Paulo em Quioto, quando avistaram uma “casinha” na montanha e decidiram descobrir o que era. – Foto: Tatiana Lowenthal

Muito além das atrações famosas que magnetizam milhares de turistas, o Japão preserva inúmeros locais pitorescos e hospitaleiros. Um deles foi “descoberto” pelo casal de advogados Tatiana e Paulo Lowenthal, quando passeavam em Quioto, em outubro de 2023. Avistando de longe o que parecia ser uma colorida casinha isolada no meio da mata, ficaram intrigados sobre o que seria e resolveram se aventurar até lá. No caminho seguiram placas que pragmaticamente diziam, em inglês, “Vista maravilhosa” (Great View).

Chegando ao Templo Daihikaku Senko-ji, encontraram uma monge, sua assistente, um casal de turistas estadunidenses e um cão da raça Akita. Tatiana ficou emocionada com o momento mágico que vivenciou, ouvindo o sino ressoar, observando a exuberância da natureza e a paz do local. “Era um privilégio estar ali, resume o que é o Japão. Você espera que é bonito, mas é maior, é arrebatador.”

5 – A cordialidade dos japoneses

Marcos, Lorenzo e Naara se divertiram no parque Universal Studios, em Osaka. – Foto: Marcos Limone

É uma unanimidade: viajantes brasileiros sempre exaltam a hospitalidade impecável do povo japonês. Não à toa, existe um conceito que define essa característica da cultura, o omotenashi, prática que valoriza o cuidado com o outro antes de si próprio.

Em sua viagem, entre abril e maio de 2023, Carlos Henrique S. M., diagramador e auditor e sua namorada, Monica Ota, analista comercial, foram surpreendidos pela cordialidade, respeito e educação dos japoneses com os turistas estrangeiros, prestando auxílio mesmo diante da barreira linguística.

A professora Naara Canejo viajou de férias com o marido Marcos Limone e o filho do casal, Lorenzo, em julho de 2023 e relata a mesma vivência: “A hospitalidade e o atendimento nos estabelecimentos onde estivemos foram incríveis. Ainda que algumas pessoas não dominassem o idioma inglês, eram muito atenciosas e faziam de tudo para que pudéssemos entendê-las, utilizando inclusive um equipamento tradutor. O povo foi muito receptivo, organizado e educado conosco. Já visitamos muitos outros países em outros continentes e nos sentimos muito bem recebidos no Japão”.

6 – Recordações felizes para a vida toda

Uma experiência “incrível em todos os sentidos: hospedagem, parques, comida, pontos turísticos, centros de compra, meios de transporte, hospitalidade”, resume Naara seus 15 dias no Japão.

Lucilene considera sua viagem abençoada e especial, a realização de um projeto de vida. “Havia dificuldade com a língua japonesa, pois Júlio fala o básico, mas com bom planejamento, conhecimento, estudo sobre o país, não tivemos problemas e sim muitas surpresas e emoções.”

A advogada Dânae Dal Bianco documentou sua viagem em seu blog. Ela foi ao Japão com o marido Renato Weiner, engenheiro e empresário na área da tecnologia da informação, e as duas filhas do casal, que à época da viagem (julho de 2023) tinham 10 e 12 anos.

“Só tenho a agradecer, ao Desk e ao povo japonês”, declara Dânae. “Conhecer o Japão foi uma experiência incrível e especial, sobre a qual me vejo, lá nos meus 80 anos, contando a meus futuros netos: ‘Quando eu fui ao Japão com sua mãe, fomos a um templo numa ilha habitada por milhares de veadinhos iguais ao Bambi e a sua mãe fez tal e tal coisa…’”

7 – Planejamento de viagem com ajuda gratuita de especialistas

Desk de Informações Turísticas da JNTO, Japan House São Paulo. – Foto: Aoki Media

O Desk de Informações Turísticas da JNTO disponibiliza consultoria gratuita sobre roteiros e atrações turísticas no Japão.

Conforme relato de viajante (que preferiu um depoimento anônimo), os especialistas do Desk JNTO, Fernando Kaibara e Márcia Higashi, apresentaram-lhe o Japão com diversas opções de atividades. “Eles me ajudaram a pensar na logística de forma real, com informações preciosas para definir um roteiro-base, checaram se minha programação inicial era possível (e não era…) e me ajudaram a fazer ajustes com novas sugestões de cidades. “

Indicaram as agências do JR Pass e sinalizaram datas importantes para o meu planejamento, tal como o prazo para comprar o JR Pass. Recebi também informações sobre como seria a entrada no Japão a partir da isenção de visto. Eles também me mostraram como o website da JNTO é completo e eu acabei usando a plataforma para diversas decisões de destino que tive que fazer ao longo da viagem”, conclui no depoimento.

Localizado na Japan House São Paulo, à Av. Paulista, 52, o Desk da JNTO atende presencialmente das 10:00 às 19:00, aos sábados, domingos e feriados. Todos os entrevistados conversaram com os especialistas e retornaram após a viagem para agradecer e contar suas experiências felizes e o desejo de retornar ao Japão.

Escape Magazine
Escape Magazine